IV Festival Literário da Madeira 2014

17 a 23 de março
Acontece entre os dias 17 e 23 de Março de 2014 o Festival Literário da Madeira, que decorre no Teatro Municipal Baltazar Dias.

O programa desta edição inclui conversas, espectáculos e arte.
Dia 21 de Março: para comemorar o Dia Mundial da Poesia, pela primeira vez associa-se à Livraria Esperança que, durante a manhã e em dois momentos distintos, recebe poetas e seus leitores para sessões em que a palavra dita terá um espaço primordial.
A tarde dá lugar a duas Conversas Cruzadas que têm por mote versos dos poetas Manuel António Pina (Que fez algum / poeta por este senhor?) e Natália Correia (Ó subalimentados do sonho! A poesia é para comer!).
À noite Adriana Calcanhotto atua no Centro de Congressos da Madeira com o espetáculo “Olhos de Onda”, que em 2013 esgotou oito datas no continente e três nos Açores.


IV Festival Literário

Adriana Calcanhotto – 21 Março 21h30 – Concerto Olhos de Onda – Centro de Congressos da Madeira – €30

Está até ao momento confirmada a presença de:
– Gonçalo M. Tavares, escritor português, nasceu em 1970.
Em , Gonçalo M. Tavares tem vindo a acumular prémios. Com Jerusalém, romance aclamado que conquistou, entre outros, o Prémio Saramago (2005) e o Prémio Portugal Telecom (2007), o prolífico escritor português afirmou-se como legítimo candidato ao Olimpo da Literatura Mundial. Saramago, durante a cerimónia de atribuição do Prémio a Gonçalo M. Tavares, desafiou o futuro com uma profecia que continuará a ecoar até que se concretize: “na produção novelesca nacional, há um antes e um depois de Gonçalo M. Tavares. Creio que é o melhor elogio que posso fazer-lhe. Vaticinei-lhe o prémio Nobel para daqui a trinta anos, ou mesmo antes, e penso que vou acertar. Só lamento não poder dar-lhe um abraço de felicitações quando isso suceder.”


Uma Viagem à Índia – a “anti-epopeia” segundo a definição de Eduardo Lourenço, autor do prefácio – contribuiu para conferir ao autor uma dimensão planetária. A obra foi agraciada com o Prémio Melhor Narrativa Ficcional 2010, da Sociedade Portuguesa de Autores, e com o Grande Prémio Romance e Novela, atribuído pela Associação Portuguesa de Autores.
Com Uma Viagem à Índia, Gonçalo M. Tavares arrebatou o Prémio Fundação Inês de Castro e voltou a perfilar-se entre os vencedores do Prémio PT (2011).


Com inúmeras traduções e publicações por todo o Mundo, os seus livros deram origem, em diferentes países, a peças de teatro, peças radiofónicas, curtas-metragens e objectos de artes plásticas, vídeos de arte, ópera, performances, projectos de arquitectura, teses académicas, etc.
Atlas do Corpo e da Imaginação é o mais recente livro de Gonçalo M. Tavares, escritor que tem vindo a afirmar-se, livro após livro, como um dos maiores autores contemporâneos de língua portuguesa. Os prémios internacionais, para além do já citado Prémio PT, também se acumulam no currículo de Gonçalo M. Tavares: Prémio Internazionale Trieste 2008 (Itália), Prémio Belgrado Poesia 2009 (Sérvia), Prix Du Melleur Livre étranger 2010 (França), entre outros.

– Luíz Ruffato O autor brasileiro Luiz Ruffato, nascido em 1961, participa no FLM’14 depois de ter assumido as honras de abertura da mais recente edição do maior evento literário do Mundo, a Feira do Livro de Frankfurt, que teve o Brasil como país convidado. Luiz Ruffato dedica-se exclusivamente à literatura desde 2003. Estreou-se com o aclamado romance Eles eram muitos cavalos, vencedor do Troféu APCA e Prémio Machado de Assis para Melhor Romance. Em 2005, o escritor natural de Cataguases, Minas Gerais, iniciou a saga Inferno Provisório, composta por cinco volumes. Domingos Sem Deus (2011) é o último volume da série, distinguido com o Prémio Casa de Las Américas 2013.
Antigo jornalista, Luiz Ruffato formou-se em tornearia-mecânica pelo Senai e em Comunicação Social pela Universidade Federal de Juiz de Fora. A viver em São Paulo desde 1990, o escritor mineiro elevou-se ao patamar cimeiro da literatura lusófona,o que se reflecte na tradução das suas obras em vários países, entre os quais Itália, França, Alemanha, Portugal, Colômbia, México, Cuba e Argentina, para além de participações em revistas e antologias publicadas um pouco por todo o globo.


O trajecto literário de Luiz Ruffato tem merecido a atenção da crítica especializada. Aos prémios Casa de Las Américas 2013, do Troféu APCA e do Prémio Machado de Assis para Melhor Romance, o escritor de Cataguases conquistou o Prémio Jabuti, com a obra Vista parcial da noite, e foi finalista do Prémios Portugal Telecom com O mundo inimigo. O Livro das impossibilidades e Estive em e lembrei de você integraram os finalistas do Prémio Zaffari-Bourbon. O livro cujo título integra o nome da capital portuguesa também foi finalista do Prémio São Paulo de Literatura.

IV Festival Literário

– João Miguel Tavares (n. 1973, Portalegre) é licenciado em Ciências da Comunicação, pela Universidade Nova de Lisboa.
Trabalhou no Diário de Notícias como jornalista na secção de cultura, editor-executivo adjunto e editor na secção de sociedade. Em 2007 fundou a revista Time Out Lisboa, da qual foi diretor-adjunto até 2013. Em 2008 iniciou na TSF o programa Governo Sombra, com Carlos Vaz Marques, Pedro Mexia e Ricardo Araújo Pereira, que desde 2012 tem também uma versão televisiva na TVI24.
Foi colunista do Correio da Manhã durante três anos. Atualmente escreve duas vezes por semana na última página do Público.


Tem publicados um livro de crónicas familiares, Os Homens Precisam de Mimo , e três livros infantis, A Crise Explicada às Crianças, Uma Baleia no Quarto e O Pai Mais Horrível do Mundo.
É autor do blogue joaomigueltavares.blogs.sapo.pt e coautor do blogue familiar paisdequatro.blogs.sapo.pt.

– Maria João Saraiva de Menezes: é professora e escritora. Publicou livros de poesia, ficção, etiqueta, pedagogia e infanto-juvenis. Realiza a HORA DO CONTO COM A AUTORA em escolas e bibliotecas, com as suas histórias, onde tem também divulgado o último livro escrito em parceria com o filho Vasco.

– Nuno Lobo Antunes: é neuropediatra, licenciado em Medicina, pela Faculdade de Medicina de Lisboa. O seu percurso profissional tem passado por cargos como o de consultor de Neurologia Pediátrica no Memorial Hospital for Cancer and Allied Diseases, em Nova Iorque, e o de Professor Auxiliar de Neurologia e Pediatria na Cornell University Joan & Sanford I – Weill Medical College; Diretor Clínico e Coordenador das áreas de Neurodesenvolvimento e Neurologia do CADIn; Presidente do Conselho de Administração da Fundação Make-A-Wish; Coordenador da Unidade de Neuropediatria do Hospital ; Consultor de Neurologia Pediátrica do IPO de Lisboa, entre muitos outros.
Atualmente dirige o PIN – Progresso Infantil, Centro para as Perturbações do Desenvolvimento Infantil. É autor dos “best-sellers” Mal-Entendidos, Sinto Muito, Em Nome do Pai e Vida Em Mim.

– Miguel Real (n. 1953, Lisboa) é licenciado em Filosofia pela Universidade de Lisboa e Mestre em Estudos Portugueses pela Universidade Aberta, com uma tese sobre Eduardo Lourenço e a Cultura Portuguesa. Foi até recentemente professor de Filosofia no Ensino Secundário. Especialista em Cultura Portuguesa, possui uma vasta obra dividida entre o ensaio, a ficção e o drama (neste último género sempre em colaboração com Filomena Oliveira).
Recebeu o Prémio Revelação nas áreas da Ficção e do Ensaio Literário da Associação Portuguesa de Escritores, Prémio Ler/Círculo de Leitores, Prémio Fernando Namora da Sociedade Estoril Sol, Prémio Ficção da Sociedade Portuguesa de Autores e Grande Prémio de Teatro do Teatro Aberto e SPA. É colaborador permanente do Jornal de Letras no qual faz crítica literária.

– João de Melo (n. 1949, São Miguel – Açores), licenciado em Filologia Românica pela Faculdade de Letras de Lisboa, é autor de obras de ficção, ensaios, antologias, poesia, livros de crónicas e de viagem. Muitos dos seus livros foram traduzidos em vários países europeus, nos Estados Unidos e no México.
Foi editor de autores portugueses, crítico literário, professor dos ensinos secundário e superior, conselheiro cultural junto da embaixada de Portugal em Espanha.
Foram-lhe atribuídos os seguintes prémios literários: Grande Prémio da Associação Portuguesa de Escritores, Prémio Eça de Queiroz/Cidade de Lisboa, Prémio Cristóvão Colombo (Capitais Ibero-americanas), Prémio Fernando Namora/CasinodoEstoril, Prémio Antena 1, Prémio «A Balada» e Prémio Dinis da Luz.
Gente Feliz Com Lágrimas, o seu romance mais conhecido, foi adaptado ao teatro pelo grupo O Bando, e a telefilme e a série de televisão pelo realizador José Medeiros.

IV Festival Literário

– Jorge Sousa Braga (n. 1957, Cervães – Vila Verde) é licenciado em Medicina e exerce a especialidade de Obstetrícia num hospital do Porto, cidade onde vive. É poeta, autor de livros infanto-juvenis e tradutor.
A sua obra poética tem vindo a revelar-se de uma criatividade notável, presente desde o primeiro livro De Manhã Vamos Todos Acordar Com Uma Pérola No Cu, de 1981, uma abordagem dos Descobrimentos e da portugalidade sempre tomada pelo lado irónico e surrealista, com ressonâncias do movimento Beat, de São Francisco. A sensualidade – e a sexualidade, – em poemas íntimos e por vezes extremos, bem como a sua paixão pela poesia oriental têm-no levado a escrever haikus em língua portuguesa com assinalável perfeição. Incansável leitor de poesia verteu para português poemas de Jorge Luis Borges, Matsuo Bashô, Li Po, Guillaume Appolinaire, entre muitos outros.
O Novíssimo Testamento e outros poemas é o seu mais recente livro de poesia (Assírio & Alvim, 2012)

– Adriana Calcanhotto – 21 Março 21h30 – Concerto Olhos de Onda – Centro de Congressos da Madeira – €30
Adriana Calcanhotto surgiu nos anos 1980 no cenário nacional e, duas décadas depois é uma referência, tanto para a música popular, quanto para o show business. Na música, ao se revelar moderna no discurso e delicada na harmonia. Na carreira, ao alcançar um perfeito equilíbrio entre qualidade e a popularidade. E, assim, conquistou os corações brasileiros, com a delicadeza do toque sutil de suas canções.
A trajetória de Adriana começa no sul do país, em Porto Alegre, cidade onde nasceu em outubro de 1965, de uma mistura de italianos e portugueses. Mãe bailarina, Pai baterista e um ambiente harmonioso para que a menina, aos 13 anos, já se aventurasse a inventar canções. Nas descobertas musicais de Adriana não só o fino canto de João Gilberto ou as intrincadas invenções de Miles Davis, mas também os hits super populares das rádios AM. Desenvolveu um ouvido sem preconceitos. Estreou nos bares da sua Porto Alegre em 1984 e, quatro anos depois, causou sensação ao participar de um show de Rita Lee. Era ela a misteriosa bombshell que adentrava o palco na canção Miss Brasil 2000 envolta numa capa preta, abrí-la e revelar sua nudez por poucos segundos.
Seu primeiro disco, Enguiço, foi lançado em 1990, data também de sua primeira turnê pelo Brasil, e uma música, Naquela Estação (Caetano Veloso/João Donato) ganhou o público como trilha sonora de uma novela de sucesso, A Rainha da Sucata, da TV Globo. Sua interprete recebeu o premio de revelação feminina no 4.o Prêmio Sharp de Música.


Depois de estreia retumbante e nesses mais de 20 anos de carreira, Adriana lançou outros oito discos, produziu sucessos como compositora e espalhou-se por outras artes: na poesia, ao musicar os versos do português Mario de Sá-Carneiro e do francês Jacques Prevért. Nas artes plásticas, ao envolver-se com a obra de Lygia Clark e Helio Oiticica e em concepções de capas de discos. No cinema e no balé, ao compor trilhas-sonoras para documentários e espetáculos, como os da Companhia de Balé Cisne Negro. E, ainda, em desfiles de estilistas, como Luiza Marcier, grife Maria Bonita, Maria Cândida Sarmento. Desde 2003, contratada pela BMG-Ariola, hoje Sony ela assumiu o heterônimo Adriana Partimpim e, com esse personagem lançou disco e show de sucesso arrebatador, numa proposta feliz em que registra a visão contemporânea para as canções infantis. No exterior, Adriana Calcanhotto desenvolveu uma carreira em Portugal , Argentina e Espanha comparecendo a esses países com assiduidade, para lançar discos e fazer shows, sempre para um público fiel e amoroso. Em 2008 lançou o CD Maré, considerado pela crítica como um dos melhores álbuns e show lançados em 2008. E em 2009 lançou o disco Adriana Partimpim ” Dois é Show!!” em 2011 lançou o disco “o micróbio do samba” e 2012 lançou DVD e CD “micróbio vivo” e também o disco Adriana Partimpim “Tlês”.

Os bilhetes já se encontram à venda na Fnac e no Casino da Madeira, pelo preço único de 30€.

Acompanhe as novidades aqui: http://festivalliterariodamadeira.pt/

Festival Literário

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*